6.5.17

Sonâmbulo

Foram muitos os sonhos e, sonâmbulo,
com os olhos abertos, às escuras,
passou noites em volta do preâmbulo
sem entrar no miolo das leituras;
e mal ouvia o galo que espalhava
o seu canto diurno, matutino,
voltava para a cama e dormitava
até que o acordasse o sol a pino.
Foram muitos os sonhos e utopias
que assumiu sem cuidar das sequelas,
abraçando o real e as fantasias
(a contar mais carneiros que estrelas),
mas apesar do tempo dissipado,
não chora sobre o leite derramado.

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário